Apoie o projeto

FAQ

Os motivos são três:
1 - Nos inspiramos diretamente no Caso Toblerone, no qual uma política na Suécia renunciou o seu cargo após ser flagrada com um simples Toblerone pago com dinheiro público. Queremos fazer isso: usar tecnologia para permitir que os cidadãos monitorem os gastos públicos até em valores tão baixos como o de uma barra de chocolate.
2 - Parece nome de operação da Polícia Federal, e isso é muito legal.
3 - É a nossa Serenata de Amor para o Brasil.

Somos um grupo de apaixonados por tecnologia. O projeto que começou como iniciativa do cientista de dados Irio Musskopf, cresceu e hoje tomou vida própria, contando com um time de 10 profissionais. Todo código é aberto, contamos com um corpo de centenas de voluntários: colaboradores do mundo inteiro, incluindo jornalistas e investigadores.

Nosso time é espalhado por cidades e países diferentes. Nos beneficiamos da tecnologia para conseguirmos fazer reuniões, discutir o projeto e dar continuidade do trabalho de forma remota, sem precisarmos de um espaço físico.

Open source é um termo em inglês utilizado para distribuição de código de forma aberta, onde todas as pessoas interessadas em contribuir para a evolução do projeto podem, de forma livre, agregar suas ideias, sem pagar por licença ou propriedade intelectual. Em outras palavras, o Serenata é gratuito para acesso de qualquer pessoa.

UUtilizamos dados públicos — seja dados tornados públicos pela Lei de Acesso a Informação, seja dados privados disponibilizados publicamente por empresas como Google, Foursquare, Yelp etc. Na esfera pública conseguimos dados junto à Câmara dos Deputados, Receita Federal, Portal da Transparência, dados.gov.br etc.

A Cota para Exercício de Atividade Parlamentar (CEAP) é um valor mensal de até R$ 45 mil que cada deputado federal brasileiro tem direito a ressarcimento por gastos para os quais não cabem licitação. Um almoço ou pagamento de táxi, por exemplo.

Boa pergunta! A Rosie, nossa robô, identifica suspeitas, isto é, comportamentos que ela acha estranhos. Isso é feito por meio de algoritmos, um trabalho automático. Ela observa gastos que não seguem um padrão, como, por exemplo, um gasto muito alto com alimentação – algo que pareça suspeito. Porém, nem tudo o que Rosie encontra é necessariamente irregular. Para que um gasto suspeito seja considerado irregular, é preciso um trabalho de investigação humano que confirma ou descarta a suspeita que a nossa robô encontrou. Irregular é aquilo que fere, de alguma forma, o que está escrito na norma: gastos superfaturados, pagamentos de alimentação a terceiros e outras coisinhas que vocês já viram por aqui.

Já reparou que os parlamentares trocam de partido com alguma frequência? Por isso, evitamos índices e organização dos dados feitos a partir dos partidos dos nossos deputados e senadores. Além disso, nosso principal objetivo é a informação, não a caça às bruxas, o discurso de ódio e a polarização entre direita e esquerda.

Você pode entrar em contato através da página da operação no Facebook ou por email. Se for da área técnica, pode falar com a gente direto pelo GitHub também.

Atualmente conversamos na língua inglesa, que é a prática mais comum em projetos de código aberto. Isso acontece em um grupo aberto do Telegram. Você é muito bem vindo(a) para se juntar a ele.

Contamos com uma comunidade criada em volta do projeto que vai além do Brasil - pessoas de outros países interessadas em contribuir. Dentro do repositório do GitHub e em nosso canal do Telegram, optamos por usar a língua inglesa para que possamos incluir as opiniões dessas pessoas na discussão. Além disso, várias pessoas de outros países demonstraram interesse em nosso código desde o dia zero. Mantendo o código e toda documentação técnica em inglês, fazemos com que facilmente o nosso esforço possa ser aproveitado em outros países do mundo.

O Jarbas é uma ferramenta criada por nós para facilitar a visualização dos dados que utilizados e gerados pela Rosie, nossa robô. O jarbas é essencial para o trabalho investigativo. Ele surgiu como uma ferramenta interna mas aos poucos vamos melhorar a interface dele para que ele se torne uma ferramenta de utilidade pública.

A Rosie é a nossa robô programada para identificar usos suspeitos da verba pública, começando pela CEAP. Ela analisa cada um dos reembolsos solicitados pelos nossos deputados, nos dizendo quais são os motivos que fazem cada um desses gastos suspeito.

A Rosie é um programa (ou software) que a gente chama de robô porque ela realiza seu trabalho de maneira autônoma e automatizada. Ou seja, programamos a Rosie e “colocamos ela pra rodar”. O resto ela faz sozinha: pega os dados disponibilizados, analisa, aplica algoritmos (hipóteses) e identifica suspeitas. Por ser um programa ela pode ser instalada por qualquer pessoa que tenha um conhecimento intermediário de programação, mas não tem um rosto nem se parece com qualquer humanóide que costumamos ver nos filmes.

Você pode contribuir para o projeto com código, ajudando a manter a equipe, com ideias, com retuítes e compartilhamentos. Para entender como começar a contribuir com código, comece pelo nosso GitHub. Para contribuir diretamente para a continuação do projeto, você pode acessar a nossa página no apoia.se.

Infelizmente, ainda não atuamos em esferas municipais (ou estaduais) por limitações técnicas: não temos time para dar escala ao trabalho e muitas vezes não há padronização dos dados nessas esferas. Isso significa que teríamos que fazer pedidos pela lei de acesso a informação e estudar a estrutura dos dados em cada um dos municípios.

Não só pode, como deve. Essa ideia é sensacional. Como somos uma iniciativa open source, qualquer pessoa pode usar e adaptar o código desenvolvido em diferentes esferas. Veja na pergunta “Como posso contribuir com o projeto?” os links para nosso código conte e na pergunta “Qual o canal técnico de comunicação do projeto?” como discutir com a comunidade a adaptação desse código.


Tem dúvidas? Pergunte na nossa página no Facebook ou encontre a gente no Twitter. Se o assunto for técnico, pode escrever em inglês no GitHub ou no nosso grupo técnico no Telegram. Se nada disso funcionar, nos escreva um email.